O efeito Jack



O número de Avogadro:

A comunidade cética chama-lhe pseudociência.

Durante anos colei-me a esta fação e descartei por absoluto a possibilidade de um medicamento homeopático poder ter algum efeito real no tratamento de doenças [em bom rigor, no tratamento de uma pessoa com desequilíbrios no seu estado de saúde].

Afinal, toda a minha formação era de cariz científico. E a base do raciocínio científico é ver para crer!

Mas, se não vemos Deus também, porque acreditamos Nele?

A razão da minha incredibilidade na homeopatia justificava-se plenamente apenas pelo mero raciocínio com recurso à constante de Avogadro:
- Os medicamentos homeopáticos são preparados por diluições [seguidas por agitações vigorosas] sucessivas. Preparada corretamente, devemos, para uma diluição centesimal, pegar num mililitro de solução e adicionar 99 mililitros de diluente (água, p.e.). Depois pegamos num mililitro da solução resultante e adicionamos novamente 99 de diluente. E assim sucessivamente. Podemos ter diluições de 200 CH ou até de 1000 CH.

Ora, dita a ciência exata que a partir da 11ª diluição centesimal a probabilidade de encontrar uma ÚNICA molécula real é nula.
Isto porque na 12ª diluição temos o 12 CH, com uma diluição de 1x10-24 mol/L. Se aplicarmos a contante de Avogadro, temos 1x10-24 x 6,022x1023 = 6,022x10-1, que é inferior a 1 (e tínhamos de beber um litro para encontrar uma molécula).

Ora cá está!
Ciência exata: – Não temos lá nada, niente, zero, nikles…puto…!

Só mais tarde me apercebi que a nossa mente não pode e não deve estar tão fechada.

Não precisa de ser tudo ou preto ou branco…

Aliás, se nos dermos ao trabalho de por um pé fora da caixa, podemos ver um mundo maravilhoso para além dos filtros que nos impingiram…

Retomando a homeopatia. Comecei a acreditar nela quando vi resultados reais em mim, nos que me rodeiam, quando comecei a prescrever medicamentos homeopáticos.

E sabem quando decidi começar a acreditar?

- Quando reparei que ANIMAIS E CRIANÇAS não têm a noção de efeito placebo.

É fácil de explicar:
- A ciência pura e exata, como demonstrei acima, zomba com a homeopatia, denominando-a de pseudociência, porque alegadamente e “comprovadamente” não tem lá “nada”.
Alega que os eventuais resultados positivos podem ser atribuidos ao denominado efeito PLACEBO:

pla·ce·bo
(latim placebo, primeira pessoa do futuro do indicativo de placeo, -ere, agradar, aprazer)

[Medicina] - Substância neutra administrada em vez de um medicamento, como controlo numa experiência, ou para desencadear reacções psicológicas nos pacientes.

"placebo", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha]

Ou seja, os céticos alegam que a mente humana, quando quer acreditar que com determinado medicamento vai obter a cura, consegue "fabricar" efetivamente resultados positivos surpreendentes. E mesmo alguns investigadores da medicina alopática chegam a duvidar da verdadeira eficácia de determinadas drogas de síntese, quando confrontadas com o respetivo controlo por placebo.

Mas com os medicamentos homeopáticos a coisa já muda de figura…

Não têm lá moléculas. É um facto! Mas, mercê das sucessivas diluições vigorosas, a informação vibracional e energética permaneceu no veículo de diluição.
Já referi repetidas vezes a informação vibracional. Já falei várias vezes da energia vital.
Numa perspetiva holística, quando sofremos de determinada enfermidade, as nossas células, em falência, estão ávidas para receber informação com o intuito de optar qual o rumo a tomar: - Se o da AUTOCURA ou o da AUTODESTRUIÇÂO.

Infelizmente nós, humanos, decidimos na nossa zona de conforto, cortar as amarras com a Natureza. Tudo é cimento, tudo é químico. Controlamos tudo [pensamos nós] e a palavra de ordem é CRESCIMENTO. Ou lá o que isso quer dizer…

[Na minha opinião, nunca regredimos tanto como espécie, nas últimas décadas]

Surge então um pequeno milagre! Decidi chamar-lhe então de efeito JACK.



O Jack é um cãozinho velhinho que apareceu nas nossas vidas. Quando o encontrámos [disse-nos o veterinário] que estaria já numa fase de se “deixar” morrer. Estava subnutrido e temeroso. Pobre animal…




Demos-lhe abrigo, comida e amor.

Mantinha, no entanto, aquele olhar vago e uma postura corporal e espiritual decadente.
A mim parecia-me que precisava também de um boost de Energia Vital.

Foi o que fiz: - Apliquei-lhe duas vezes, em dias alternados, uma solução homeopática complexista apirogénica na mesoderme ao longo da coluna vertebral e à volta do umbigo.

Numa semana tinha um cão completamente novo!
E o brilho nos olhos já tinha voltado!




O Jack é muito esperto. Não obstante, lamento informar que ele desconhece o efeito PLACEBO…


Step out of the box,

Ricardo Novais

P.S.1 – O Jack continua connosco e é um cãozinho muito feliz!

P.S.2 – Sempre detestei a publicidade com fotos do antes e depois. Mas aqui justificava-se.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Charlatanices

Laboratório de probióticos

O silêncio do ser