O meu TOP5 de pedras terapêuticas

O meu TOP5 de pedras terapêuticas


Olá a todos!
Agora para descomprimir um pouco de temas pesados como cozinhar sem leite ou doenças autoimunes quero-vos dar a conhecer as minhas 5 pedras favoritas.
É claro que gosto de todas as minhas pedras e, para cada situação em que me encontro, escolho intuitivamente aquela que melhor me vai servir para equilibrar energeticamente.

Assim, pondo de parte a selenite e os cristais de rocha que me acompanham para onde vou, o meu TOP5 é (por ordem crescente):

5º lugar - Turmalina preta 



Como terapeuta que lida com várias energias por dia, a turmalina funciona como um verdadeiro para-raios de radiações, energias negativas e bloqueios. “A turmalina preta liberta e protege o nosso corpo de influências e energias negativas, bem como da magia negra, porque é uma das pedras mais poderosas de proteção do nosso corpo e da nossa alma. Na meditação, propicia os desejos pessoais, a autoconsciência e metas de vida. É uma pedra que traz luz e, em pouco tempo, uma elevação da consciência, promovendo uma forte concentração em níveis mais conscientes e espirituais.”, in “Prevenção e cura com pedras”, de Stark, Karl e Meier, Werner, editora Dinalivro.

4º lugar - Cianite ou espada do arcanjo Miguel



Esta gosto particularmente de ter por perto se tiver uma entrevista, estiver a falar para as câmaras ou simplesmente a dar uma aula. Ela é fantástica para situações em que precisamos de comunicar. Também gosto de usar a pedra em bruto, simplesmente apertando-a em situações em que estou verdadeiramente irritado. Transmite-me uma calma quase imediata. Tal como a espada do arcanjo Miguel, ela corta os males pela raiz. Não gosto de falar de meditação porque tenho dificuldades em meditar mas esta pedra é reconhecida também pelas suas propriedades facilitadoras da meditação.

3º lugar – Crisocola



Também conhecida como a pedra do terapeuta, pela proteção e compaixão que proporciona. “Através do seu efeito calmante, a crisocola pode dissolver no seu portador a opressão e o stresse. Ajuda a criar um relacionamento amoroso pessoal e nos casos de parcerias. Transmite calma, tolerância e amor.”, in “Prevenção e cura com pedras”, de Stark, Karl e Meier, Werner, editora Dinalivro.

2º lugar – Moldavite, meteorito



Já há anos que procuro fontes fiáveis destas pedras certificadas. Finalmente encontrei um fornecedor checo, fidedigno e com imenso profissionalismo. É simplesmente mágico segurar uma moldavite nas mãos e imaginar que percorreu esta e outras galáxias, em espaço extraterrestre até chegar até nós, há cerca de 15 milhões de anos. Os estilhaços que caíram no rio Molda, na República checa, são de uma cor verde translúcida linda. São raros e um pouco caros, mas vale a pena ter uma. A minha primeira sensação, quando segurei uma, foi como se tivesse bebido um shot de Red Bull. Com o passar do tempo apeguei-me a elas e agora ajudam-me a equilibrar as energias e a afinar a conexão com o universo. Como sou apreciador da frequência do universo, 432 Hz, ou, se preferirmos, da entoação OM, estou convicto que a vibração que esta pedra transmite é precisamente aquela que absorveu durante a sua viagem interstelar até embater na Terra – a vibração do UNIVERSO – ENERGIA VITAL. Portanto, esta pedra cura! Se falarmos em medicina Ayurvédica ou Reiki, esta pedra limpa bloqueios nos 7 chacras, sintonizando-os. Sinto sempre que esta pedra me traz iluminação e clarividência. Ligação ao EU superior.

1º LUGAR – As misteriosas pedras Boji, as “Pedras vivas”



Eu, que nem sou muito de ficar arrepiado com estas coisas, mal peguei nas minhas boji, numa feira esotérica do Porto, fiquei imediatamente eletrificado. Fiquei com arrepios e excitação e logo em seguida, fui invadido por uma imensa onda de calma. Sabia que tinha de tê-las. Refiro-me a elas no plural porque elas vêm aos pares – fêmea e macho, ou numa perspetiva taoista, Yin e Yang. A fêmea, lisa e redondinha, e o macho, rugoso e mais angular. Segurar uma em cada mão afina imediatamente o nosso Yin e Yang. E, se há filosofia que acredito, é esta da dualidade noite e dia; trevas e luz. Sem recurso a agulhas, Shiatsu ou o que quer que seja, sinto-me logo mais equilibrado. O mais divertido destas pedras é que, de acordo com várias fontes, elas precisam de ser acariciadas… Lembram-se do Tamagotchi? Pois… estas pedras dão, mas também gostam de receber. E quando não gostam do dono podem mudar de lugar ou simplesmente desaparecer de vez…

Isto é fantástico ou quê?

Fiquei tão fascinado que a minha mulher e os meus filhos já têm as suas. E já sabem: - Se não cuidarem bem delas, elas vão-se embora e nunca mais aparecem.

Step into the cryptoesoteric limbo,


Ricardo Novais

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Charlatanices

Laboratório de probióticos

O silêncio do ser